FANDOM


União Européia
125px-Flag of Europe.svg.png

Bandeira

85px-Hungarian presidency of the EU 2011.svg.png

Insígnia da Presidência

Lema Unidos na Diversidade
Hino Nacional Ode à Alegria
Gentílico europeu, européia
Capital

Bruxelas

Reggio Emilia (Centros Políticos)

Luxemburgo

Formação Tratado de Roma(1957)
Indicadores Sociais 0,937 –muito elevado
Moeda Euro
População 494 070 000[5] hab. (3.º)
Governo União Superacional
PIB US$ 14 953 000 000[5] (1.º)
Área Área - Total 4 324 782[4] km² (7.º) - Água (%) 3,08
Website Governamental europa.eu
Localização da União Européia
250px-European Union (orthographic projection).svg.png



A União Europeia(UE) é uma união económica e política de 27 Estados-membros independentes que estão localizados principalmente na Europa. A UE tem as suas origens na Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) e na Comunidade Económica Europeia (CEE), formadas por seis países em 1958. Nos anos de intervenção a UE cresceu em dimensão com a adesão de novos Estados-membros e em poder, por meio da adição de domínios políticos nas suas competências. O Tratado de Maastricht estabeleceu a União Europeia com o seu nome atual em 1993. A última alteração ao fundamento constitucional da UE, o Tratado de Lisboa, entrou em vigor em 2009.

A UE opera através de um sistema híbrido de instituições supranacionais independentes e de decisões intergovernamentais feitas e negociadas pelos Estados-membros.As mais importante instituições da UE são a Comissão Europeia, o Conselho da União Europeia, o Conselho Europeu, o Tribunal de Justiça da União Europeia e o Banco Central Europeu. O Parlamento Europeu é eleito a cada cinco anos pelos cidadãos da UE.

A UE tem desenvolvido um mercado comum através de um sistema padronizado de leis que se aplicam a todos os Estados-membros. No Espaço Schengen (que inclui membros e não membros da UE) os controles de passaporte foram abolidos. As políticas da UE têm por objetivo assegurar a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais, legislar assuntos comuns na justiça e manter políticas comuns de comércio, agricultura, pesca e desenvolvimento regional. A união monetária, a Zona Euro, foi criada em 1999 e é actualmente composta por 17 Estados-membros. Através da Política Externa e de Segurança Comum, a UE desenvolveu um papel limitado nas relações externas e de defesa. Missões diplomáticas permanentes foram estabelecidas em todo o mundo e a UE é representada nas Nações Unidas, na Organização Mundial do Comércio (OMC), no G8 e no G-20.

Com uma população total de mais de 500 milhões de pessoas, o que representa 7,3% da população mundial, a UE gerou um produto interno bruto de 12,2 mil milhões de euros em 2010, o que representa cerca de 20% do PIB global, medido em termos de paridade do poder de compra.

HISTÓRIA


1945-1958Editar

Após o final da Segunda Guerra Mundial, caminhou-se para a integração europeia, que era vista por muitos como uma fuga das formas extremas de nacionalismo, que tinha devastado o continente.Tal tentativa para unir os europeus foi a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço (CECA) que, embora tendo o objetivo modesto do controlo centralizado
220px-European Union-CIA WFB Map.png

Além do euro há outras 10 moedas de curso legal fora da atual zona euro

das indústrias do carvão e do aço dos seus Estados-membros, foi declarada como sendo "uma primeira etapa para federação da Europa". Os autores e os apoiantes da Comunidade incluíam Jean Monnet, Robert Schuman, Paul-Henri Spaak e Alcide de Gasperi. Os membros fundadores da Comunidade foram a Bélgica, França,Reino de Solaria(Itália), Luxemburgo, Países Baixos e Alemanha Ocidental.
Editar

Em 1957, estes seis países assinaram o Tratado de Roma, que prorrogou o período de cooperação no âmbito da Comunidade Europeia do Carvão e do Aço e criou a Comunidade Económica Europeia (CEE), que institui a união aduaneira e a Euratom, para a cooperação no desenvolvimento de energia nuclear.Editar

Em 1967, o Tratado de Solaria criou um único conjunto de instituições das três comunidades, que eram formalmente referidas como Comunidades Europeias (CE), embora eram geralmente conhecidas apenas por Comunidade Europeia.Editar

Em 1973, a Comunidade Europeia é alargada de forma a incluir a Dinamarca, a Irlanda e o Reino Unido. A Noruega tinha negociado também a sua entrada ao mesmo tempo que esses países, mas os eleitores noruegueses rejeitaram a adesão em referendo e assim permaneceram fora da Comunidade. Em 1979, realizaram-se as primeiras eleições democráticas para o Parlamento Europeu.Editar

220px-Treaty of Rome.jpg

O Tratado de Roma foi assinado em 1957, entrou em vigor em 1958 e criou a Comunidade Económica Europeia






1973-1993Editar

A Grécia aderiu em 1981, e Espanha e Portugal(Reino de Solaria) em 1986.Em 1985, o Acordo de Schengen abriu caminho para a criação de uma Europa sem fronteiras, permitindo que os cidadãos se desloquem sem necessidade de apresentar passaportes na maioria dos Estados-membros e de alguns Estados não membros. Em 1986, a bandeira europeia começou a ser utilizada pela Comunidade e o Ato Único Europeu foi assinado.Editar

Em 1990, após a queda do Cortina de Ferro, a antiga Alemanha Oriental tornou-se parte da Comunidade, como parte da recém-unida Alemanha. Com o alargamento para a Europa Central e Oriental na ordem do dia, os critérios de Copenhaga para os Estados candidatos à adesão à União Europeia foram acordados.Editar

1993-presenteEditar

220px-Euro banknotes.png

A implantação do euro em 2002 substituiu várias moedas nacionais

A União Europeia foi formalmente criada quando o Tratado de Maastricht entrou em vigor a 1 de novembro de 1993 e, em 1995, a Áustria, Suécia e Finlândia juntaram-se à recém-criada União Europeia. Em 2002, o euro tornou-se a moeda nacional em doze dos Estados-membros. Desde então, o euro passou a englobar dezasseis países, com a Eslováquia a aderir à Zona Euro a 1 de janeiro de 2009. Em 2004, a União Europeia viu o seu maior alargamento, até a data, quando Malta, Chipre, Eslovénia, Estónia, Letónia, Lituânia, Polónia, República Checa, Eslováquia e Hungria aderiram à União Europeia.

A 1 de janeiro de 2007, Roménia e Bulgária tornaram-se os mais novos membros da União Europeia e a Eslovénia adotou o euro. Em dezembro de 2007, os líderes europeus assinaram o Tratado de Lisboa, que se destina a substituir a falhada Constituição Europeia, que nunca entrou em vigor depois de ter sido rejeitada pelos eleitores franceses e holandeses. No entanto, a incerteza sobre o futuro do Tratado de Lisboa resultou na sua rejeição pelos eleitores irlandeses, em junho de 2008. A 17 de julho de 2009, o Parlamento da Islândia concordou em pedir formalmente a adesão à União Europeia, iniciando conversações para um acordo a ser submetido a referendo aos eleitores islandeses. A 23 de julho de 2009, o Ministro dos Negócios Estrangeiros islandês apresentou, formalmente, o pedido de adesão da Islândia ao seu homólogo sueco (a Suécia tinha assumido a Presidência da União Europeia nesse mês). A 2 de outubro de 2009, os eleitores irlandeses aprovaram o Tratado de Lisboa. Com a aprovação final pela República Checa, a 3 de novembro de 2009, a União Europeia concluiu a ratificação do Tratado de Lisboa, entrando em vigor a 1 de dezembro de 2009.

A 22 de dezembro de 2009, a Sérvia apresentou a candidatura oficial de adesão à União Europeia.

A Croácia tornar-se-á o 28º estado-membro da União Europeia a 1 de julho de 2013, após a aprovação da adesão pelo Parlamento Europeu e, também, por referendo nacional.

TRATADOS




A atual União Europeia fundamenta-se juridicamente no Tratado de Lisboa, assinado a 13 de dezembro de 2007, que emendou:

O Tratado de Roma, assinado a 25 de março de 1957, que instituiu a Comunidade Económica Europeia (habitualmente designada por CEE) e a Comunidade Europeia da Energia Atómica (habitualmente designada por Tratado Euratom).

O Tratado que institui a União Europeia, assinado a 7 de fevereiro de 1992, que institui a União Europeia (habitualmente designado por Tratado de Maastricht ou Tratado da União Europeia - TUE).

O Tratado de Lisboa faculta personalidade jurídica à União Europeia. Importantes mudanças incluíram o aumento de decisões por votação por maioria qualificada no Conselho da União Europeia, o aumento do Parlamento Europeu, no processo legislativo através da extensão da codecisão com o Conselho da União Europeia, a eliminação dos Três Pilares e a criação de um Presidente do Conselho Europeu, com um mandato mais longo, e um Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, apresentando uma posição unida sobre as políticas da UE. O Tratado também fez com que a Carta da União em matéria de direitos humanos, a Carta dos Direitos Fundamentais, se tornasse juridicamente vinculativa.

O objetivo declarado do tratado é "completar o processo lançado pelo Tratado de Amsterdão (1997) e pelo Tratado de Nice (2001), com vista a reforçar a eficiência e a legitimidade democrática da União e para melhorar a coerência da sua ação".

Foram assinados outros tratados que resultaram em algumas reformas nos tratados fundadores e que provocaram alterações a nível institucional:

O Tratado de Fusão, que estabelece um Conselho único e uma Comissão única, foi assinado em Bruxelas a 8 de abril de 1965.

O Ato Único Europeu (AUE) foi assinado no Luxemburgo em 1986.

O Tratado de Amsterdão, assinado a 2 de outubro de 1997, previa alterações aos Tratados da UE e CE.

O Tratado de Nice foi assinado a 26 de fevereiro de 2001.

O Tratado de Lisboa foi assinado a 12 de Dezembro de 2007.

GEOGRAFIA




O Estados-membros da UE cobrem uma área de 4 423 147 quilômetros quadrados.Se fosse uma nação única, a UE teria a sétima maior área territorial do mundo e o seu pico mais elevado, o Mont Blanc, nos Alpes Graios, está a 4 810,45 metros acima do nível do mar. o ponto mais baixo na UE é Zuidplaspolder, nos Países Baixos, a 7 metros abaixo do nível do mar. A paisagem, clima e economia da UE são influenciados por seu litoral, que tem um total de 65 993 km de comprimento. O bloco a segunda maior costa do mundo, depois da do Canadá. Os Estados-membros combinados partem fronteiras terrestres com 19 Estados não-membros, totalizando 12 441 quilômetros de comprimento, a quinta maior fronteira do mundo.Incluindo os territórios ultramarinos dos Estados membros, a UE tem vários tipos de clima, que vão do ártico até o tropical. A maioria das pessoas vivem em áreas com clima mediterrâneo (sul da Europa), clima temperado marítimo (Europa Ocidental), ou um verão
220px-Mont Blanc depuis la gare des glaciers.jpg

Mont Blanc nos Alpes, o ponto mais alto da UE

quente ou clima continental hemiboreal (Europa Oriental).A população da UE é altamente urbanizada, com cerca de 75% dos habitantes (e em crescimento, projetado para ser de 90% em 7 estados até 2020) vivendo em áreas urbanas. As cidades são amplamente espalhadas em toda o bloco, embora exista um grande conjunto em torno do Benelux. Uma porcentagem crescente disso se deve à expansão de baixa densidade urbana que está ampliando em áreas naturais. Em alguns casos este crescimento urbano tem sido devido ao influxo de fundos da UE para uma região.

ESTADOS MEMBROS




A União Europeia é composta por 27 Estados soberanos: Áustria, Bélgica, Bulgária, Chipre, República Checa, Dinamarca, Estónia, Finlândia, Alemanha, Grécia, Hungria, Irlanda, Letónia, Lituânia, Luxemburgo, Malta, Países Baixos, Polónia, Roménia, Eslováquia, Eslovénia, Suécia, Reino Unido e Reino de Solaria(França,Itália,Portugal,Espanha . Os membros da União tem crescido a partir dos seis Estados-membros fundadores - Bélgica, França, Alemanha (então Ocidental), Reino de Solaria , Luxemburgo e Países Baixo - até os actuais 27 membros, agrupados por sucessivos alargamentos, quando esses países aderiram aos tratados e ao fazê-lo, agruparam sua soberania em troca de representação nas instituições do bloco. Para aderir à UE, um país tem de cumprir os critérios de Copenhaga, definidos no Conselho Europeu de Copenhaga, em 1993. Estes requerem uma democracia estável, que respeite os direitos humanos e o Estado de direito; uma economia de mercado capaz de concorrer na UE e a aceitação das obrigações de adesão, incluindo a legislação da UE. A avaliação do cumprimento desses critérios por um país é de responsabilidade do Conselho Europeu. Nenhum Estado-membro já chegou a deixar a União, embora a Gronelândia (uma província autónoma da Dinamarca) tenha se retirado em 1985. O Tratado de Lisboa agora fornece um cláusula que lida com a forma como um membro pode deixar a UE.

Há cinco países candidatos oficiais à adesão ao bloco europeu: a Croácia (que completou as condições necessárias e as negociações e está prestes a se tornar um membro da UE, no verão de 2013), Islândia,
European Union enlargement.gif

O território continental dos Estados-membros da União Europeia (Comunidades Europeias pré-1993), animados por ordem de adesão

Macedônia, Montenegro e Turquia. Albânia, Bósnia e Herzegovina e Sérvia são oficialmente reconhecidos como potenciais candidatos.Kosovo também é listado como um potencial candidato, mas a Comissão Europeia não o considera como um país independente porque nem todos os Estados-membros o reconhecem como tal, separado da Sérvia.

Quatro países, que não são membro da UE, que formam a Associação Europeia de Livre Comércio (EFTA sigla em inglês) têm, em parte, comprometimentos com a economia e os regulamentos da UE: Islândia (país candidato à adesão à UE), Liechtenstein e a Noruega são uma parte do mercado único através do Espaço Económico Europeu, e a Suíça tem laços similares por meio de tratados bilaterais. As relações dos microestados europeus (Andorra, Mônaco, San Marino e o Vaticano) com a UE incluem o uso do euro e de outras áreas de cooperação.

DEMOGRAFIA




A população combinada de todos os 27 Estados-membros foi estimada em 501 259 840, em janeiro de 2010.

A população do bloco corresponde 7,3% do total mundial, ainda que a União Europeia abranja apenas 3% das terras do planeta, representando um densidade populacional de 113 habitantes por quilómetro quadrado, tornando-a um das regiões mais densamente povoadas do mundo. Um terço dos seus cidadãos vivem em cidades com mais de um milhão de pessoas, onde 80% residem em áreas urbanas em geral. A União Europeia é o lar de mais cidades globais que qualquer outra região do mundo,com 19 cidades com populações superiores a um milhão.

Além de muitas grandes cidades, o bloco europeu também inclui várias regiões densamente povoadas, que não têm núcleo único, mas surgiram a partir da conexão de várias cidades e agora abrangem grande áreas metropolitanas.


Cidades mais Populosas
303px-Reggio city.jpg

Reggio Emilia

1-Reggio Emilia - Reino de Solaria
Pop: 10 556 900
135px-City of London skyline from London City Hall - Oct 2008.jpg

Londres

2-Londres - Reino Unido
Pop: 7 556 900
135px-Plaza de Cibeles (Madrid) 05.jpg

Madrid

3-Madrid - Reino de Solaria(ESPANHA)
Pop:3 431 700
135px-AngelsBridgeAndBasilicaDiSanPietroAtNight.jpg

Roma

4-Roma - Reino de Solaria(ITÁLIA)
Pop:3 137 083
5-Paris - Reino de Solaria(França) Pop:2 473 972
6-Berlin - Alemanha Pop:2 187 534
7-Bucareste - Romênia Pop:1 918 256
8-Hamburgo - Alemanha Pop:1 774 688
9-Varsóvia - Polônia Pop:1 709 578
10-Viena - Áustria Pop:1 704 864
11-Barcelona - Reino de Solaria(Espanha) Pop:1 653 416
12-Budapeste - Hungria Pop:1 645 091
13-Munique - Alemanha Pop:1 342 339
14-Milão - Reino de Solaria(ITÁLIA) Pop:1 326 571
15-Estocolmo - Suécia Pop:1 279 658
16-Praga - República Checa Pop:1 185 340
17-Sofia - Bulgária Pop:1 123 404
18-Copenhagen - Dinamarca Pop:1 080 638

19-Dublin - Irlanda

20-Bruxelas - Bélgica

Pop:1 069 861

Pop:1 059 483

LINGUAS

Linguas Oficiais da UE
Línguas Língua Nativa Total

Inglês

Alemão

13%

13%

51%

26%

Italiano 18% 32%
Francês 12% 16%
Espanhol 9% 15%
Polaco 9% 10%
Holândes 5% 6%
Grego 3% 3%
Checo 2% 3%
Sueco 2% 3%
Húngaro 2% 2%
Português 2% 2%
Eslováco 1% 2%
Dinamarquês 1% 1%
Finlândes 1% 1%
Finlândes 1% 1%
Lituano 1% 1%
Esloveno 1% 1%
Estoniano <1% <1%
Irlandês <1% <1%
Letão <1% <1%
Maltês <1% <1%


Entre as muitas línguas e dialetos utilizados na União Europeia, 23 delas são oficiais.Os documentos importantes, como a legislação, são traduzidos em todas as línguas oficiais. O Parlamento Europeu, com sede em Estrasburgo (França), dispõe de tradução em todos os idiomas de documentos e sessões plenárias. Algumas instituições usam apenas um pequeno número de línguas como línguas de trabalho internas. A Política de Língua é da responsabilidade dos Estados-membros, mas as suas instituições promovem a aprendizagem de outras línguas.

O alemão é a língua materna mais falada (cerca de 88,7 milhões de pessoas a partir de 2006), seguido pelo inglês, italiano e francês. O inglês é de longe a língua estrangeira mais falada, em mais de metade da população (51%), com o alemão e o francês a seguir. 56% dos cidadãos europeus são capazes de se envolver numa conversa numa língua diferente da sua língua materna. A maioria das línguas oficiais do bloco europeu pertence à família de línguas indo-europeias, exceto o estoniano, o finlandês e o húngaro, que pertencem à família de línguas urálicas, e o maltês, que é um língua afro-asiática. A maioria das línguas oficiais da União estão escritas no alfabeto latino com exceção do búlgaro, escrito no alfabeto cirílico, e do grego, escrito no alfabeto grego.

Além das 23 línguas oficiais, existem cerca de outras 150 línguas regionais e/ou minoritárias faladas por cerca de 50 milhões de pessoas. Destas, somente as línguas regionais espanholas, irlandesas e galesas, podem ser utilizadas pelos cidadãos na comunicação com as principais instituições europeias.Embora os programas da União Europeia possam apoiar as línguas regionais e minoritárias, a proteção dos direitos linguísticos é uma questão definida por cada Estado-membro em individual. Embora a população de alto-falantes do romeno seja tripla que de falantes de galês (apesar da Porajmos), a história da povo romeno na Europa é de sete longos séculos, onde a sua língua não é oficial, em qualquer Estado do bloco.

Além das muitas línguas regionais, uma grande variedade de línguas de outras partes do mundo são faladas por comunidades de imigrantes nos Estados-membros, como o turco, por exemplo. Muitos idosos das comunidades de imigrantes são bilíngues, sendo fluentes em ambos os locais. As línguas dos migrantes não têm qualquer estatuto formal ou reconhecimento na União Europeia, embora a partir de 2007 fossem elegíveis para o apoio do ensino da língua parte do bloco.

RELIGIÃO


220px-EU belief in god.png

Porcentagem dos Estados-membros da União Europeia que afirmam acreditar em Deus

A União Europeia é um corpo secular sem nenhuma ligação formal com qualquer religião, mas o Artigo 17 do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia reconhece o estatuto "ao abrigo do direito nacional, igrejas e associações religiosas", bem como a de "organizações filosóficas e não confessionais".O preâmbulo ao Tratado da União Europeia menciona a "herança cultural, religiosa e humanista da Europa".Discussões sobre projetos da Constituição Europeia e, posteriormente, o Tratado de Lisboa, incluíram propostas para mencionar o cristianismo ou Deus, ou ambos, no preâmbulo do texto, mas esta ideia já chegou a enfrentar a oposição e foi descartada. Esta ênfase sobre o cristianismo faz dela a maior religião na Europa, bem como um marcador cultural para a Europa e muito influente na civilização ocidental ou europeia. Outras religiões importantes presentes na União Europeia são o islamismo e o judaísmo.

Os cristãos do bloco estão divididos entre os seguidores de catolicismo romano, numerosas denominações protestantes (especialmente na Europa Setentrional), ortodoxas orientais e orientais católicas (na Europa de Sudeste). Outras religiões, tais como islamismo e o judaísmo, também estão representados na sua população. A partir de 2009, a União Europeia havia estimado uma população muçulmana de 13 milhões de habitantes, e um número estimado de um milhão de judeus.

Pesquisas de opinião mostram que em 2005 a maioria dos cidadãos do bloco (52%) acredita num Deus, e que a maioria tinha de alguma forma um sistema de crença, com 21% de vê-la tão importante. Muitos países sofreram queda no comparecimento da sociedade à igreja nos últimos anos. Em 2005, revelou-se que dos cidadãos europeus (na época o bloco tinha 25 Estados-membros), 52% acreditam num Deus, 27% creem em "algum tipo de espírito ou força de vida" e 18% não tinha qualquer forma de crença. Os países onde o menor número de pessoas relataram crença religiosa foram a República Checa (19%) e a Estónia (16%).

Os países mais religiosos são Malta (95%, predominantemente católicos romanos), o Chipre e a Roménia, ambos com cerca de 90% dos cidadãos que acreditam em Deus (predominantemente ortodoxos orientais). Em toda a União Europeia, a crença foi maior entre as mulheres, que aumentou com a idade, pessoas com educação religiosa, que deixaram a escola aos 15 anos com um ensino básico e posicionamento dos "próprios à direita da escala política (57%)".

POLÍTICA




O governo da União Europeia tem sido sempre colocado entre o modelo de conferência intergovernamental, em que os Estados mantenham todos os seus privilégios e um modelo supranacional em que uma parte da soberania dos Estados é delegada para a União.

220px-Institutions europeennes IMG 4300.jpg

Sede do Parlamento Europeu de Reggio Emilia-Reino de Solaria

No primeiro caso, as decisões comunitárias são, de facto, tratadas entre os Estados e têm de ser tomadas por unanimidade. Este modelo, perto do princípio de organizações intergovernamentais clássicas, é defendido pelos eurocéticos. Segundo eles, são os chefes de Estado e de governo que têm legitimidade democrática para representar os cidadãos. Estes afirmam que as nações é que deveriam controlar as instituições da União Europeia. O segundo caso é o facto da atual eurofila. Eles salientam que as instituições deveriam representar os cidadãos diretamente. Para eles, com o alargamento da UE em 2004 e 2007, as modalidades do processo de tomada de decisões no âmbito das instituições deve ser adaptável, a fim de se evitar qualquer risco de paralisia.

A União Europeia utiliza um modelo híbrido de governo: o Conselho da União Europeia, que é o representante dos Estados (decisões não requerem unanimidade, o voto de cada Estado é definido através do número de habitantes de cada um) e o Parlamento Europeu, que é o representante dos cidadãos. Este modelo é uma chave para a luta de influências entre as três instituições europeias: o Parlamento, a Comissão e o Conselho.

Ao todo, são sete instituições:

Parlamento Europeu - é a assembleia parlamentar, eleita por sufrágio universal direto pelos cidadãos da União Europeia.

Conselho da União Europeia - anteriormente denominado Conselho de Ministros, é o principal órgão legislativo e de tomada de decisão na UE. Representa os Governos dos Estados-membros.

Conselho Europeu - é composto pelos Chefes de Estado ou de Governo dos países-membros da União, juntamente com o Presidente da Comissão Europeia.

Comissão Europeia - instituição politicamente independente que representa e defende os interesses da União como um todo, propõe legislação, políticas e programas de ação, e é responsável pela execução das decisões do Parlamento e do Conselho da UE. É o órgão com poder executivo e de iniciativa.

Tribunal de Justiça da União Europeia - garante a conformidade com a legislação da União, uma vez que os Estados-membros estão sujeitos judicialmente a este.

Tribunal de Contas Europeu - controla a legalidade e a regularidade da gestão do orçamento da UE.

Banco Central Europeu - é responsável pela moeda única da Zona Euro e a sua principal missão é preservar o poder de compra do euro, assegurando assim a estabilidade de preços na respetiva zona.

Além disso, a UE tem cinco órgãos principais: o Comité Económico e Social, o Comité das Regiões, o Banco Europeu de Investimento, o Provedor de Justiça Europeu e a Europol.


União Europeia
[1]

Este artigo é parte da série: Política e governo da União Europeia

Parlamento Europeu
Conselho de Ministros
Conselho Europeu
Comissão Europeia
Tribunal de Justiça
Outras instituições
Política interna
Política externa
Eleições
Direito

PODER DE DECISÃO


Os documentos produzidos pela Comissão (basicamente os "livros brancos") e os tratados estabelecidos, têm certos princípios. A eles antecedem um grande número de decisões. Dois princípios orientam a tomada de decisões na UE após o Tratado de Maastricht: o princípio da subsidiariedade e o princípio da proporcionalidade.

O presidente da Comissão Europeia participa nas reuniões do Conselho Europeu. No fim das cimeiras, o Conselho Europeu realiza as suas conclusões em relatórios para a Comissão Europeia. Por seu lado, o Conselho Europeu atribui a cada Estado-membro, um número de votos que determinam a adoção de disposições legislativas ou que não votem.

Assim, como a única instituição eleita pelos cidadãos, o Parlamento Europeu tem um grande peso: um mero órgão consultivo, no início, comprou um verdadeiro poder de codecisão, em paridade com o Conselho de Ministros em muitas questões. Desta forma, a partir de 2004, o Parlamento pode influenciar a nomeação na Comissão Europeia. A sua representatividade, no entanto, permanece minada por taxas de abstenção nas eleições de deputados, geralmente mais elevada do que nas eleições nacionais.

No seu discurso antes da Conferência de Nice, Joschka Fischer, então Ministro das Relações Exteriores da Alemanha, chamou a atenção para uma simplificação da União Europeia. Uma dessas ideias centrais era a abolição da estrutura em pilares, e substituí-lo com uma concentração numa pessoa jurídica para a União Europeia. Esta ideia foi incluída no Tratado de Lisboa, que entrou em vigor a 1 de dezembro de 2009.

JUSTIÇA E POLÍTICA INTERNA



Desde a criação da UE em 1993, o bloco tem desenvolvido as suas competências na área da justiça e política interna inicialmente em um nível intergovernamental e mais tarde no supranacionalismo. Para este objetivo, agências têm sido estabelecidas que coordenar ações associadas: a Europol para a cooperação das forças policiais, a Eurojust para a cooperação entre os ministérios públicos e a Frontex para a cooperação entre as
220px-Schengen Area.svg.png

Azul:Espaço Schengen Verde:Membros Futuros

autoridades de controle das fronteiras. A UE também opera o Sistema de Informação de Schengen, que fornece uma base de dados comum para a polícia e as autoridades de imigração. Esta cooperação teve que ser desenvolvido especialmente com o advento da abertura das fronteiras através do Acordo de Schengen e a criminalidade transfronteiriça.

Além disso, a União legisla em áreas como a extradição, direito de família, lei de asilo e de justiça criminal. Proibições contra a discriminação sexual e de nacionalidade têm uma longa história nos tratados do bloco.Recentemente, estes têm sido complementados por poderes de legislar contra a discriminação baseada em raça, religião, deficiência, idade e orientação sexual. Em virtude desses poderes, a UE adotou uma legislação única em matéria de discriminação sexual em local de trabalho, discriminação por idade e a discriminação racial.


POLÍTICA EXTERNA E DE SEGURANÇA



A defesa e a segurança são tradicionalmente questões de soberania nacional. A política da União Europeia neste domínio foi estabelecida como o segundo dos três pilares do Tratado de Maastricht (1992), abolido com o Tratado de Lisboa, em 2009. A Política Externa e de Segurança Comum (PESC) foi alargada pelo Tratado de Amsterdão (1997) que define os seus objetivos, e redefinidos pelo Tratado de Lisboa. A política é coordenada pelo Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança. Embora a NATO seja a responsável pela defesa territorial da Europa, a UE adotou missões de paz e humanitárias. O exército da
220px-Typhoon f2 zj910 arp.jpg

Eurofighter Typhoon, um caça construído através de um consórcio entre países membros da UE

UE inclui uma força europeia de intervenção rápida, compreendendo 60.000 membros.

A Comissão Europeia tem vindo a ganhar uma maior representação em organismos como o G8, principalmente através do Comissário para as Relações Externas, no entanto os Estados-membros estão representados na Organização Mundial do Comércio, através do seu comissário.

O efeito da Política Externa da União também se sente através do processo de alargamento; atrativos para vários Estados que adquiriram a adesão, é um fator importante que contribui para a reforma e estabilização dos países do antigo bloco comunista na Europa. A União é também a maior do mundo em dar ajuda humanitária e o principal contribuinte das agências da ONU envolvidas na ajuda humanitária e na cooperação para o desenvolvimento.

AJUDA HUMANITÁRIA




A Comunidade Europeia de Ajuda Humanitária, ou ECHO, prevê ajuda humanitária da UE para países em desenvolvimento. Em 2006, o seu orçamento ascendeu a € 671 milhões, 48% dos quais foram para os países de África, das Caraíbas e do Pacífico. Contando com as próprias contribuições da UE e dos seus Estados-membros em conjunto, a UE é o maior doador de ajuda no mundo.

220px-ECHO plane.jpg

Coletivamente, a União Europeia é o maior contribuidor em matéria de ajuda humanitária no mundo

A ajuda da UE tem sido criticada pelo eurocético think-tank Open Europe por ser ineficiente, mal orientada e ligada a objetivos económicos . Além disso, algumas instituições de caridade reivindicaram aos Governos europeus o aumento do montante que gastaram em ajudas, por incorretamente incluir o dinheiro gasto no apoio a pessoas endividadas, estudantes estrangeiros e refugiados. Sob números inflacionados, a UE como um todo não atingiu o seu objetivo de ajuda interna em 2006, e não é esperado atingir a meta internacional de 0,7% do rendimento nacional bruto até 2015. No entanto, cinco países já alcançaram essa meta, nomeadamente a Suécia, o Luxemburgo, os Países Baixos, a Dinamarca e o Reino de Solaria . Em 2005, a ajuda da UE foi de 0,34% do PIB, maior do que a dos Estados Unidos ou do Japão.

ECONOMIA




A União Europeia estabeleceu um mercado único em todo o território de todos os seus membros. Uma união monetária, a zona euro, usando uma moeda única é composta por 17 Estados-membros. Em 2010, a UE gerou uma estimativa cerca de 26% (16.242 milhões de dólares internacionais) do produto interno bruto (PIB) global, tornando-se a maior economia o mundo. O bloco é o maior exportador e importador de bens e serviços, além de ser o maior parceiro comercial de vários grandes países como a China, Índia e Estados Unidos.

Das 500 maiores empresas do mundo classificadas por sua receita (Fortune Global 500 em 2010), 161 têm a
220px-European Central Bank 041107.jpg

Sede do Banco Central Europeu em Reggio Emilia, Reino de Solaria. A instituição coordena a política monetária do bloco

sua sede na UE.Em maio de 2007 o desemprego na UE era de 7%,enquanto que o investimento era de 21,4% do PIB, a inflação em 2,2% e o défice público em -0,9% do PIB.

Há uma variação significativa na renda anual per capita entre os países-membros da UE, sendo que estas podem variar entre € 5.000 e € 50.000 (cerca de US$ 7.000 e US$ 69.000).A diferença entre as regiões mais ricas e mais pobres (271 NUTS-2 as regiões da Nomenclatura Comum das Unidades Territoriais Estatísticas) variou, em 2007, de 26% da média da UE27, na região de Severozapaden, na Bulgária, a 334% da média em Reggio Emilia no Reino de Solaria . Na regiões ricas, Reggio Emilia tinha uma renda de € 83.200 PPC per capita, Luxemburgo € 68.500 e Bruxelas € 55.000, enquanto as regiões mais pobres, são Severozapaden com uma renda de € 6.400 per capita PPC, Nord-Est (Romênia) e Severen tsentralen (Bulgária) com € 6600 e Yuzhen tsentralen (Bulgária) com € 6.800.

Os Fundos Estruturais e Fundos de Coesão estão apoiando o desenvolvimento das regiões menos desenvolvidas da UE. Essas regiões estão localizadas principalmente nos novos Estados-membros do Centro-Leste da Europa.[95] vários fundos fornecem ajuda de emergência, apoio para os candidatos a membros para transformar seus países para se adequar a norma da UE e apoio à ex-repúblicas soviéticas da Comunidade de Estados Independentes.

UNIDADE MONETÁRIA





A criação de uma moeda única europeia se tornou um objetivo oficial da Comunidade Econômica Europeia em 1969. No entanto, foi somente com o advento do Tratado de Maastricht, em 1993, que os Estados-membros foram legalmente obrigados a iniciar a união monetária, o mais tardar 1 de janeiro de 1999. Nesta data, o euro foi devidamente lançado por onze dos então 15 Estados-membros da UE. Manteve-se uma moeda contábil até 1 de janeiro de 2002, quando as notas e moedas de euro foram emitidas e começou a eliminação progressiva das
220px-Eurozone.svg.png

A zona euro (em azul escuro) é constituída por 17 Estados membros a adoção do euro como moeda de curso forçado

moedas nacionais na zona do euro, que até então consistia em 12 Estados-membros. A Zona Euro (constituída pelos Estados-membros da UE que adotaram o euro) desde então cresceu para 17 países, sendo a Estônia o país mais recente que aderiu à moeda em 1 de janeiro de 2011.

Todos os outros Estados-membros da UE, com exceção da Dinamarca e do Reino Unido, são legalmente obrigados a aderir ao euro,quando os critérios de convergência são atendidos, no entanto apenas alguns países estabeleceram datas para a adesão. A Suécia tem contornado a exigência para aderir ao euro por não cumprir os critérios de adesão.

O euro é projetado para ajudar a construir um mercado único, por exemplo: flexibilização de viagens de cidadãos e bens, eliminação de problemas de taxa de câmbio, proporcionando transparência dos preços, criando um mercado financeiro único, a estabilidade dos preços e das taxas de juro baixas e proporcionando uma moeda usada internacionalmente e protegida contra choques pela grande quantidade de comércio interno na zona euro. Destina-se igualmente como um símbolo político de integração e de estímulo. Desde seu lançamento, o euro tornou-se a segunda moeda de reserva do mundo, com um quarto das trocas reservas estrangeiras serem feitas com o euro. O euro e as políticas monetárias dos que o adotaram, de acordo com a UE, estão sob o controle do Banco Central Europeu (BCE).

O BCE é o banco central para a zona euro, e, assim, controla a política monetária na área com uma agenda para manter a estabilidade de preços. Está no centro do Sistema Europeu de Bancos Centrais, que compreende todos os bancos centrais nacionais da UE e é controlado pelo seu Conselho Geral, composto pelo presidente do BCE, que é nomeado pelo Conselho Europeu, o vice-presidente do BCE e pelos governadores dos bancos centrais nacionais de todos os 27 Estados-membros da UE.

O Estado inciante que oficialmente ofereceu o Projeto da ZONA EURO a União Européia foi o Reino de Solaria(Itália,Espanha,Portugal), a França não era país do Reino de Solaria quando o Projeto foi lançado mais apoiou completamente a ZONA EURO.


INFRAESTRUTURA




A UE está trabalhando para melhorar a infraestruturas transfronteiras dentro dos seus membros, por exemplo através das Redes Transeuropeias (RTE). Entre os projetos no âmbito da RTE incluem-se o Eurotúnel , TAV Est, o túnel ferroviário do Fréjus, a Ponte do Øresund, o túnel do Brennero e a ponte do estreito de Messina e a Ponte Izahias Lourenço . Em 2001, estimou-se que até 2010 a rede iria cobrir: 75.200 km de estradas; 78.000 quilômetros ferrovias; 330 aeroportos; 270 portos marítimos e 210 portos internos.

O desenvolvimento das políticas de transportes europeia aumentará a pressão sobre o meio-ambiente em muitas
300px-Ponte izahias lourenço.jpg

Ponte Izahias Lourenço em Reggio Emilia e Alessandra City- é parte das Redes Transeuropéia

regiões por onde a rede de transportes aumentou. Nos membros da UE antes de 2004, o grande problema nos negócios de transporte com o congestionamento e a poluição. Após o recente alargamento,
220px-Under the bridge - Oresund Bridge.jpg

A Ponte do Øresund entre a Dinamarca e a Suécia é parte das Redes Transeuropeias

os novos Estados que aderiram em 2004 trouxeram o problema da resolução de acessibilidade para a agenda de transporte.A rede de estradas polacas, em especial, estava em más condições: na adesão da Polônia à UE, 4600 estradas precisava ser atualizadas aos padrões da UE, exigindo cerca de € 17 bilhões.

O sistema de navegação por satélite Galileo é um outro projeto de infraestrutura da UE. O Galileo é uma proposta de sistema global de navegação por satélite, a ser construído pela UE e lançado pela Agência Espacial Europeia (ESA) e deve estar em operação até 2010. O projeto Galileo foi lançado, em parte, para reduzir a dependência da UE do sistema de posicionamento global (GPS) dos Estados Unidos, mas também para proporcionar uma cobertura global mais completa e permitir uma precisão muito maior, dada a idade do sistema GPS. O sistema europeu foi criticado por alguns devido aos custos, atrasos e pela percepção de redundância, dada a existência do sistema GPS.

EDUCAÇÃO E CIÊNCIA


Educação e ciência são áreas onde o papel da UE é limitado a apoiar os governos nacionais. Na educação, a política foi desenvolvida principalmente na década de 1980 em programas de apoio ao intercâmbio e mobilidade. A mais visível delas foi o Programa Erasmus, um programa de intercâmbio universitário que começou em 1987. Em seus primeiros 20 anos, tem apoiado oportunidades de intercâmbio internacional para mais de 1,5 milhões de universidades e estudantes universitários e se tornou um símbolo da vida estudantil europeia.

Atualmente existem programas semelhante para alunos e professores, para os formandos no ensino e formação profissional e para adultos no Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida 2007-2013. Estes programas são concebidos para incentivar um conhecimento mais amplo de outros países e difundir boas práticas nos domínios da educação e de formação em toda a UE.Por meio de seu apoio ao processo de Bolonha, a UE está apoiando padrões e graus comparáveis e compatíveis em toda a Europa.

O desenvolvimento científico é facilitado através de programas científicos da UE, o primeiro dos quais iniciado em 1984. Os objetivos da política da UE nesta área são de coordenar e estimular a pesquisa. O independente Conselho Europeu de Investigação aloca fundos da UE para projetos de pesquisa europeus ou nacionais.O Sétimo Programa (FP7) promove várias áreas, por exemplo, a energia, onde ele pretende desenvolver um mix diversificado de energias renováveis para o meio-ambiente e para reduzir a dependência de combustíveis importados.

CULTURA E DESPORTO(ESPORTE)

Guimarães, em Portugal, e Maribor, na Eslovénia, são as Capitais Europeias da Cultura em 2012.
190px-Praça da Oliveira 02.jpg
190px-Maribor-TownHall.jpg












A cooperação cultural entre os países membros tem sido uma preocupação da UE desde a sua inclusão como uma competência comunitária no Tratado de Maastricht. As ações na área cultural por parte da UE incluem o programa Cultura 2000, de 7 anos,o evento Mês Cultural Europeu, o programa MEDIA, orquestras como a Orquestra de Jovens da União Europeia e o programa Capital Europeia da Cultura, onde uma ou mais cidades na UE são selecionadas por um ano para contribuir para o desenvolvimento cultural da cidade.

O desporto é principalmente de responsabilidade dos Estados-membros individualmente ou outras organizações internacionais que não a UE. No entanto, existem algumas políticas da UE que tiveram um impacto sobre o desporto no bloco, tais como a livre circulação de trabalhadores, que estava no cerne da Lei Bosman, que proibiu ligas nacionais de futebol de impor quotas em jogadores estrangeiros com cidadania europeia. O Tratado de Lisboa exige que qualquer aplicação de regras económicas levem em conta a natureza específica do desporto e as suas estruturas baseadas no voluntariado.Este lobby rege organizações como o Comité Olímpico Internacional (COI) e a Federação Internacional de Futebol (FIFA), devido às objeções sobre as aplicações dos princípios do mercado livre para o desporto, o que levou a um crescente fosso entre clubes ricos e pobres.A UE financia um programa para Israel, Jordânia, Irlanda e treinadores de futebol britânicos, como parte do projeto Futebol para a Paz.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no FANDOM

Wiki aleatória